(31) 97574-2891
0800 006 3050
contato@educarebox.com

Incentivando a curiosidade para criar alunos melhores

Curiosidade

Quanto mais curiosa a criança é, mais ela aprende. Incentivar a curiosidade das crianças é uma das melhores maneiras para garantir que ela se desenvolva melhor intelectualmente.

As crianças nascem curiosas, e estão sempre tentando entender melhor o mundo à sua volta. A curiosidade é o desejo por explorar, descobrir e entender, e é uma adaptação evolutiva da espécie humana.

Além de pessoas curiosas serem mais felizes, a curiosidade é um fator mais importante do que pressões externas para motivar as crianças a aprender. Consequentemente, é determinante para o futuro sucesso na vida adulta.

Já que a curiosidade é tão importante, devemos estabelecer práticas para incentivá-la. Nessa primeira parte, cobriremos as possibilidades que professores têm para desenvolver a curiosidade dos alunos:

 

1 – Busque e crie a “pega” de cada tópico

O que, dentro do que você ensina, faz aquilo ser interessante? Como esse conteúdo acontece no ou afeta o mundo real? Se você puder gerar algo intrigante com isso, como experimentos de ciências ou a exploração de diferentes possíveis cenários de uma história que estão lendo, as crianças ficarão mais interessadas. Consequentemente, aprenderão mais sobre o tema em questão.

2 – Reserve um tempo para exploração livre

Não é fácil ignorar a vontade e a pressão por finalizar tópicos e cobrir conteúdo. Isso faz parecer impossível separar 5 minutos para algo que possa aparecer trivial.

Mas a exploração é tão importante ao aprendizado quanto a memória. Como o neurologista John Medina diz em seu livro Brain Rules, “descobrir traz alegria”. “A exploração cria a necessidade de mais descobertas para que essa alegria possa ser reexperimentada”. As escolas não são tipicamente desenhadas para comportar essa prática, mas se você intencionalmente investir tempo de sala na exploração, pode reacender a chama da curiosidade nos estudantes. Ter estudantes mais motivados influenciará muitas vezes mais o aprendizado do que alguns minutinhos a mais de aula sem o interesse deles.

3 – Ensine os alunos a fazer perguntas

Boas perguntas formam a base e o contexto do aprendizado. Apesar de podermos criar curiosidade através de perguntas provocativas, as perguntas mais poderosas são aquelas que os próprios alunos geram.

Porém, fazer perguntas é mais complexo do que parece e muitos alunos sequer têm esse costume.

Uma excelente estrutura para ensinar essa habilidade aos alunos é a Técnica de Formulação de Perguntas (QFT), do Right Question Institute. É um processo estruturado para ensinar os alunos a gerar, avaliar e selecionar boas perguntas, útil em inúmeras situações de ensino.

O professor pode até separar uma parte dos pontos da etapa para serem distribuídos à participação com perguntas de qualidade. Isso mostrará uma valorização do esforço e da busca por conhecimento (uma habilidade importante para o desenvolvimento independente), e ajudará os alunos a criarem o hábito de indagar.

4 – Crie um “estacionamento” de idéias e perguntas

A exploração livre, aliada ao maior empoderamento das perguntas, pode gerar muitas idéias, devaneios e perguntas que não são tão produtivas durante uma lição. Porém, ao invés de deixá-las atrapalhar a aula ou descartá-las como fora do conteúdo, é importante ter um processo para capturá-las para futuro tratamento.

Tenha uma parede, quadro, ou outra coisa dentro da sala para que os alunos que tiverem idéias desse tipo possam “estacioná-las” para serem reavaliadas mais tarde. Só não as deixe acumular poeira, e visite o “estacionamento” com regularidade.  Dessa maneira, o professor mantém o fluxo da aula sem matar a cultura de exploração e perguntas que deseja incentivar.

5 – Valorize e premie a curiosidade

Normalmente, valorizamos os alunos apenas quando sua curiosidade os leva aonde queremos ou a uma boa nota. Porém, é muito importante darmos atenção e valorizarmos a curiosidade diretamente quando a vemos em ação. Elogiar os alunos que fizerem boas perguntas ou investigações mostrará que a motivação deles por si só tem valor, independente da nota que alcançarem.

6 – Implemente uma agenda digital em sua escola

Uma agenda digital une uma fonte de prazer dos alunos (os smartphones) às instruções e orientações da escola, que poderão ser acessadas pelos aparelhos. A associação fará o aluno subconscientemente se interessar um pouco mais pelas atividades. Adicionalmente, ao facilitar a organização, o app libera maior tempo às crianças para se dedicarem às atividades e explorações. Saiba mais sobre a agenda digital EducareBox.

 

Baseado em: http://educacaointegral.org.br/metodologias/como-estimular-estudantes-criem-suas-proprias-perguntas/

https://www.businessinsider.com/whats-the-connection-between-curiosity-and-happiness-2011-9

https://www.linkedin.com/pulse/curiosity-secret-sauce-highly-successful-people-kiko-suarez-phd/

http://educacaointegral.org.br/metodologias/como-estimular-estudantes-criem-suas-proprias-perguntas/

http://corwin-connect.com/2016/12/5-ways-activate-curiosity-classroom/

https://www.edutopia.org/blog/8-pathways-curiosity-hungry-mind-marilyn-price-mitchell

Utilizar uma agenda digital integrada na sua escola torna a comunicação muito mais prática, melhora o envolvimento dos pais e facilita a gestão pedagógica. Com o aplicativo escolar, a escola facilita o trabalho dos professores e funcionários, satisfaz os pais e melhora a fidelização e expansão da rede! Ainda não tem uma agenda digital? Não fique para trás! Conheça o EducareBox, o aplicativo escolar mais descomplicado do mercado. Entre para nosso teste gratuito e deixaremos sua escola prontinha para uso na nossa plataforma!